terça-feira, 8 de setembro de 2015

A Maldita! (A história da rádio Fluminense FM).


Olá meus amigos! Em mais uma viagem da nossa máquina do tempo, iremos voltar para o início dos anos 80 e acompanhar a história daquela que foi uma das mais importantes rádios rock do Brasil. A Fluminense FM.


Nos anos 70 duas emissoras tinham arriscado o rock. A Federal AM e a Eldorado FM ou Eldo Pop, (rádio onde trabalhava o lendário DJ já citado pelo nosso colaborador Luiz Domingues, Big Boy). Essas rádios representavam a cultura alternativa dessa época de repressão. Com uma curta trajetória, infelizmente, terminaram suas atividades no fim da década de 70.

No início dos anos 80, mais precisamente em 1981, o grupo Fluminense, que era o maior veículo da imprensa escrita do estado do Rio de Janeiro, testou uma nova emissora FM. O jornalista Luiz Antônio Mello estava bolando um programa de rock, o “Rock          Alive”, e acabou mudou o estilo da rádio, que quase se transformou uma rádio romântica.

No dia primeiro de março de 1982, em Niterói (RJ), nascia a Fluminense FM, apelidada carinhosamente como “A maldita”, inteiramente voltada para o rock. Além de tocar rock, a rádio se preocupava em seguir e divulgar a mentalidade rock ‘n roll, usando a linguagem apropriada para isso. 

No início a rádio não tinha uma programação muito extensa de rock nacional, devido ao marasmo que rolava na época. Por isso, fez uma parceria com o Circo Voador e a WEA, lançando a coletânea “Rock Voador”, com artistas como Celso Blues Boy, Kid Abelha, Lobão, Paralamas e Blitz, que eram bandas de vanguarda da época, com influências da new wave e da jovem guarda. 

A primeira compilação da rádio a ser lançada foi a “Fluminense 94,9 FM”, um LP de 12 faixas. De um lado haviam bandas de Heavy Metal, como Iron Maiden, Marillion, Jonh Lord, e do outro lado, bandas como Gang of four, Missing Persons, entre outras.

*“Em uma época sem MTV ou qualquer ensaio de internet, muitas das novidades musicais vinham de avião, através de amigos que viajavam ao exterior e traziam em suas bagagens além dos discos, algumas vídeo tapes com registros do que acontecia lá fora nos principais festivais de música. E foi assim exatamente com essa proposta que surgiu a TV maldita: eventos programados onde ocorriam projeções dos principais shows internacionais  como o clássico “Us Festival”, em 1983".

A rádio lançou as fitas-demo, inclusive de bandas como Legião Urbana, Paralamas, Capital Inicial, Plebe Rude, entre outras. Além dos nacionais, tocavam também artistas internacionais que lideraram as tendências da época.
                     
                        
                                     
Várias dessas bandas nacionais mostraram seus primeiros trabalhos no estúdio da Maldita, e fizeram shows nas cidades do Rio e Niterói. Algumas apresentações se tornaram históricas, como a do Canecão, com ingressos esgotados, em comemoração de 2 anos da rádio. Outros shows marcantes foram o de aniversário de 3 anos da rádio no Clube Monte Líbano, na Lagoa, e no festival “Virada do Século”, no Caio Martins, em Niterói.


A Fluminense foi pioneira por ser a primeira rádio a ter locutoras mulheres. Entre os locutores que marcaram a rádio estavam Selma Boiron, Silvia Vieira, Liliane Yusim, Mirena Ciribelli, Monika Vinerabile, José Roberto Mahn e Maurício Valadares. A participação de integrantes da Maldita nos programas de TV era constante, mostrando o mundo da música e o funcionamento da rádio por trás dos bastidores.  Monika Venerabile por exemplo, uma das primeiras locutoras da Maldita, chegou a ter um programa de TV, “Vibração”, falando sobre música, comportamento, exibindo videoclipes e esportes radicais. 
 
                        

Um dos programas da época: “Rock Alive” com Mauricio Valadares e Liliane Yusim era super eclético, tocando até Clementina de Jesus. O “Módulo Especial” tocava meia hora de um mesmo artista; Já o “Guitarras”, era dedicado ao metal, punk e derivados, enquanto o “Espaço Aberto”, ao rock nacional e MPB. O “Rock twist”, ao skate rock, punk e new wave. O “Rush”, tocava soft rock e MPB.


Na década de 90 a rádio comemorou seus 10 anos com uma grande festa no Circo Voador, com o show de Midnight Blues Band, com participações especiais de Evandro Mesquita, Celso Blues Boy, Cássia Eller, Tony Platão, Serguei , entre outros. Além disso, esteve presente na divulgação do movimento grunge da época, tocando bandas como Nirvana, L7, Soundgarden e Pearl Jam.

Um pouco depois, entrou em decadência e parou de tocar rock. Voltou a tocar por um tempo por causa de protestos dos fãs em 91, e em 94 passou a tocar pop definitivamente.

Em 2002, retorna no dial FM, Já na época as primeiras movimentações de popularização da internet no Brasil, convivendo com o download e a música livre. Em 2003, houve o término da Maldita.

No ano que a rádio completaria 30 anos, houve um projeto de resgate e preservação da memória da rádio, sendo que em sua primeira fase apresentou uma exposição realizada no Centro Cultural Correios, (*de onde inclusive foi aproveitada parte do material para essa matéria), e o site da rádio, reforçando a história dessa rádio fundamental para o rock do Brasil.

E aí, qual mensagem você deixaria para uma rádio dessa importância para a história do rock e além disso, da música no Brasil? Deixe sua mensagem nos comentários!



12 comentários:

  1. Parabens pela materia !!! Saudades da nossa ''maldita'' que tanto inspirou a criacao do programa Classicos do Rock com Lula Siqueira na Radio Comunidade Friburgo FM 104,9 !!!

    ResponderExcluir
  2. Muito legal Limonada Hippie, sou de São Paulo, mas nas minhas andanças por Parati no RJ, final dos anos 80, me deparo mudando o dial da rádio do carro e ouço Black Sabbath, logo após uma sonzeira atrás da outra.Quanta emoção, a rádio só podia ser a Fluminense.
    Toda vez que voltava à Parati, era a única rádio que ouvia. Muito bom relembrar.

    ResponderExcluir
  3. Sou eternamente grato à essa emissora e principalmente ao seu mentor, Luiz Antonio Mello, que muito apoiou muito a minha banda, A Chave do Sol, executando o nosso som nas ondas da "Maldita".

    Mais que uma programação Rock sem restrições, o espírito democrático e generoso dessa emissora era total. Sem o famigerado "jabá", artistas independentes, nosso caso, tinham espaço nessa difusão honesta e antenada nos mais nobres propósitos.

    Parabéns ao LH por resgatara história dessa emissora histórica para o Rock brasileiro !

    ResponderExcluir
  4. Volto e meia eu estou a procura de notícias da saudosa Rádio Fluminense Fm, A Maldita, embora nós sabemos que a rádio foi extinta, mas eu, mesmo assim, fico com aquela esperança de que algum empresário brasileiro vá resgatar a rádio para os dias de hoje... Inútil!
    O que ficou dessa magnífica rádio foi a saudade de uma rádio, que pensamos um dia ela vai voltar! É triste isso.

    ResponderExcluir
  5. Viva Luia Antônio Mello e a Rádio Fluminense a eterna "MALDITA"!!!!
    Obrigado por tudo que fizeram por mim.

    ResponderExcluir
  6. Aqui também, em Salvador, teve um programa cujo locutor era Marcelo Nova (Rádio Aratu) e bem mais tarde, na Rádio Bandeirantes, um programa "Só Rock Band FM". Com a popularização do BRock 80, a Rádio Transamérica aderiu ao movimento.

    ResponderExcluir
  7. rock é rock mesmo. volta maldita dos anos 80

    ResponderExcluir
  8. Fala galera! Pra quem tem interesse tenho uma fita cassete gravada ao vivo direto do circo voador do aniversario de 10 anos da maldita . Raridade com falecida Cassia Eller e Celso Blues Boy entre outros. Nunca foi feita uma copia. Se houver interesse entre em contato atraves do 21 979104486 Whatss

    ResponderExcluir
  9. Saudades dessa época programa body club de surf,Night session e etc!!

    ResponderExcluir
  10. Em 1983 / 1984 ouvia "qualquer coisa" no carro do meu pai quando ele chegava do trabalho por volta das 19h (época em que era possível ouvir música sem se preocupar em ser roubado!). Acho que era uma quarta feira quando um amigo, surfista do subúrbio do Rio e apreciador de maconha (da lata) - eu também sou do subúrbio do Rio - pediu permissão para me mostrar algo diferente: A Fluminense FM "Maldita" (havia até camisas da Company). Senão estou enganado o programa se chamava "Guitarras ou Alta Voltagem" e ouvi um som marginal, bem distorcido, não entendi uma palavra sequer (não sabia nada de Inglês), mas achei algo assustador e fantástico! Então ele foi até o apartamento dele e retornou com quadro LPs: Song Remains The Same, Diamond Dreamer, Made in Europe e The Number of The Beast. Foi amor à primeira "ouvida" e que dura até os dias de hoje.

    ResponderExcluir
  11. Em 1983 / 1984 ouvia "qualquer coisa" no carro do meu pai quando ele chegava do trabalho por volta das 19h (época em que era possível ouvir música sem se preocupar em ser roubado!). Acho que era uma quarta feira quando um amigo, surfista do subúrbio do Rio e apreciador de maconha (da lata) - eu também sou do subúrbio do Rio - pediu permissão para me mostrar algo diferente: A Fluminense FM "Maldita" (havia até camisas da Company). Senão estou enganado o programa se chamava "Guitarras ou Alta Voltagem" e ouvi um som marginal, bem distorcido, não entendi uma palavra sequer (não sabia nada de Inglês), mas achei algo assustador e fantástico! Então ele foi até o apartamento dele e retornou com quadro LPs: Song Remains The Same, Diamond Dreamer, Made in Europe e The Number of The Beast. Foi amor à primeira "ouvida" e que dura até os dias de hoje.

    ResponderExcluir