terça-feira, 12 de março de 2013

O Grito Primal de Lennon & Yoko

Olá tripulantes do Limonada! Dessa vez deixo vocês com mais um texto do nosso colaborador Luiz Domingues! Boa viagem!

Nos primórdios da psicanálise, surgiram diversas ideias e escolas de pensamento correlatas, buscando novos meios de mapeamento da psiquê humana e suas respectivas técnicas terapêuticas, adequadas, caso a caso.
 
Entre tantas deduções, surgiu a Psicologia Gestalt, que abriu campo para outros caminhos e estudos.
 
Algum tempo depois, veio a Gestalt Terapia, que influenciaria um jovem psicólogo norte-americano chamado, Arthur Janov.

 
Mas foi a partir de uma experiência própria em seu consultório, que Janov teria o insight para desenvolver uma nova técnica.
 
Vendo um paciente exprimindo sua dor através de gritos dilacerantes, chegou à conclusão que muitos traumas poderiam ser eliminados pelo expurgo visceral e que essa experiência seria a liberação de impulsos reprimidos durante toda uma vida, cuja fonte inicial, seriam as dores adquiridas e esquecidas durante o processo do nascimento das pessoas.

E assim, Janov prosseguiu em suas experimentações, até decidir usar oficialmente a nova terapia, que batizou como "Primal Scream", ou "Grito Primal", na tradução em português.
 
Mas o grande pulo do gato para Arthur Janov, deu-se quando recebeu no seu consultório um casal ultra famoso no mundo pop dos anos sessenta : John Lennon & Yoko Ono.

Depois que conhecera Yoko, Lennon abriu-se como num caleidoscópio, para absorver diversas ideias novas e isso ficou claro em suas composições para o repertório dos Beatles, no pós-1966.
 
Claro, historiadores costumam atribuir essa fase psicodélica ao uso de drogas alucinógenas, o que é verdade, contudo, haviam outros elementos a serem considerados.
 
Um deles, e que a maioria das pessoas não gosta de admitir, foi a influência de Yoko Ono. Sei que isso é polêmico ao extremo, pois a maioria esmagadora das pessoas tem a opinião de que ela "virou a cabeça" dele, negativamente e por isso ela é responsabilizada pelo fim dos Beatles.
 

Eu me excluo dessa maioria, pois não acredito nessa teoria e indo além, acho que Yoko, ao contrário, o influenciou positivamente, levando-o de encontro à arte avant-garde e sobretudo fazendo-o se conscientizar de que era uma figura mundialmente catalizadora da atenção da juventude e portanto, tinha um papel decisivo como um artista de ideias firmes no campo sócio-político.
 
E assumindo esse papel, suas ideias nos Beatles a partir daí, passaram a ser muito mais incisivas e na carreira solo, ele "chutaria o balde", lançando músicas de teor político, muito intensas.

Em meio à essa abertura às novas ideias, Lennon & Yoko conheceram Janov e tornaram-se seus pacientes.
Impressionados com a terapia, jogaram-se nela com contundência, sem medo.
 
Nessa fase, Lennon mesmo ainda como integrante dos Beatles, lança álbuns solo, absolutamente experimentais, com pouca ou nenhuma linearidade musical tradicional e causa furor, dividindo os críticos e chocando os fãs.


 
Em "Two Virgins" , Life With the Lions" e "Wedding Album", ele e Yoko já davam mostras de que a terapia do Grito Primal estava influenciando-lhes fortemente.
 
Contudo, como eram álbuns totalmente desprovidos de musicalidade tradicional, apesar do furor, ainda assim ficaram longe do grande público mainstream.
Mas foi em 1970, quando enfim lançou o que se considera seu primeiro álbum, pós-Beatles, que o Grito Primal de Arthur Janov foi revelado ao mundo. 

Denominado "Plastic Ono Band", trazia uma coleção de canções lindíssimas, ainda que com carga emocional de muita tristeza e sob sonoridade super simples, sem arranjos sofisticados, muito pelo contrário.
 
O disco inteiro, praticamente, traz canções cruas e viscerais de Lennon, tocando em feridas pessoais. E o uso e abuso de gritos extraídos das entranhas, faz com que o ouvinte mergulhe junto, buscando sensações muito perturbadoras, mesmo que toda essa dor expressa, tenha beleza estética incrível.
 
Em "God", Lennon desfila um caldeirão de insatisfações, incluso com os ex-companheiros dos Beatles e era natural que houvessem mágoas naquele momento de cicatrizes abertas.

É dessa música que extraiu-se a frase : "O Sonho Acabou", onde os detratores da Era Hippie a usaram à exaustão, fora de contexto, pois não era o foco de Lennon na música, para destruir, de fato, a ameaça civil que se agigantava e o Festival de Woodstock deve ter sido a gôta d'água para a turma de Nixon & Cia.
 
"Well, Well, Well", "Isolation", "Remember", "I Found Out", também trazem essa carga. 
Em "Love", Lennon demonstra que só confiava em Yoko naquele instante, e "Working Class Hero", já mostrava o crítico sócio-político mordaz que viria forte nos discos posteriores. 

Em "Mother", Lennon expôs ao mundo sua dor por ter sido abandonado pelo pai e por falta de condições financeiras da mãe, ter sido entregue à uma tia, para ser criado.
 
Aí, sim, o Grito Primal proposto pelo Doutor Arthur Janov, foi expresso de forma contundente. Era até surpreendente que uma música com esse teor tão triste e contendo esses berros assustadores e carregados de pura dor, pudesse ter feito sucesso radiofônico, como música pop e isso aconteceu entre 1970/1971. 


E assim, o disco inteiro tem essa conotação de catarse pessoal de Lennon.  Particularmente, acho-o belíssimo e é um de meus prediletos da carreira solo dele.Claro, com a propaganda de Lennon & Yoko, Arthur Janov e sua terapia do "Primal Scream" ficaram mundialmente famosos.

Janov virou uma espécie de persona pop também, solicitado para entrevistas e recebendo pedidos de consultas de outras pessoas famosas (e também de futuros famosos, pois Steve Jobs, que na época era apenas um hippie nerd da universidade, esteve entre eles).

E o lado ruim da fama se deu quando muitos terapeutas passaram a adotar a "Primal Scream", sem orientação direta de Janov e as autoridades da psicologia cairam em cima, não reconhecendo a técnica oficialmente, e tecendo críticas pesadas, pondo em dúvida sua eficácia.
 
Passada a "moda", o grito primal foi caindo em esquecimento, mas Janov continua firme e forte, com 89 anos de idade em 2013 e trabalhando normalmente em seu consultório na California.
 
Escreveu muitos livros abordando a técnica por ele desenvolvida e mesmo sem a força adquirida naquela época, com Lennon & Yoko divulgando suas ideias, é um profissional convicto de que sua ferramenta terapêutica é eficaz.
 
O único senão, é que após tanto tempo praticando, sua voz sofreu danos, com as cordas vocais esmorecendo. 
 
Todavia, mesmo sem a potência de outrora, Janov ainda acredita na força libertadora do grito e se conhecesse o Brasil e nossa cultura, certamente ficaria encantado com a expressão popular : "Matando cachorro a grito"...

8 comentários:

  1. Interessante,nunca tive essa impressão de que a Yoko influenciou mal o Lennon, muitas pessoas acham o contrario,coisas do Rock rsr...ótimo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kim :

      Você está inserido no minúsculo rol de pessoas (do qual me incluo), que não acham que a Yoko destruiu os Beatles e influenciou o Lennon negativamente.

      Eu sustento a tese de que com Yoko ao seu lado, o Lennon, muito pelo contrário, abriu sua cabeça para a arte avant-garde e ganhou a consciência da importância de sua figura pública como ídolo da juventude sessentista, e daí passou a adotar posições fortíssimas contra a política predatória do sistema, as injustiças, a estúpida guerra do Vietnã, etc.

      Obrigado por ler, comentar e elogiar !

      Excluir
  2. Puxa, não vou poder fazer a terapia, porque senão paro de cantar. Mas que gritar libera tensão, acho que não há dúvida quanto a isso.
    Da carreira do Lennon fora dos Beatles não conheço nada além do Shaved Fish, que eu acho bem legal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lex :

      Pois é...essa terapía é realmente eficaz no tocante à liberação de tensões interiores contraídas por sentimentos negativos, principalmente motivados por fatores de baixa autoestima. Mas você tem razão : Arrebenta com as cordas vocais.

      Convido-o a prestar atenção nos discos da carreira solo do Lennon, pois são contundentes.

      Do "Plastic Ono Band" de 1970, até o "Walls and Bridges", de 1974, são todos excepcionais, tanto musicalmente, quanto na poesia de teor sócio-político intensa. O posterior à isso, chamado "Rock'n Roll", de 1975, é um disco de releituras de clássicos dos anos cinquenta que ele gostava de ouvir, quando era adolescente, portanto não tem a metralhadora giratória antissistema que ele costumava empunhar, mas é um disco agradável de se ouvir, como mera diversão.

      O "Shaved Fish", que você citou, é uma coletânea de 1977, com vários singles, lados A e B. Eu também o tenho e gosto muito.

      E por fim, quando ele quis retomar a carreira, lançou "Double Fantasy", mas mal deu para lançá-lo, porque um psicopata o abordou na porta da sua casa em Nova York e acabou com tudo...

      Muito legal você ter lido e postado um comentário !

      Agradeço em meu nome e do Blog Limonada Hippie !!

      Excluir
  3. Interessante essa terapia. Eu a faria sem sombra de dúvidas. Mas... acredito que em nosso país daria caso de polícia. rs.
    Foi uma perda muito grande para a música pop,o assassinato de John lennon. Suas músicas, mais apreciadas pela junventude, lindissimas, tanto nos Beatles, como na carreira solo, continua fazendo sucesso e tendo muitos fãs pelo mundo todo!
    Acredito que o amor pela Ioko, o inspirou ainda mais em suas letras musicais. Não concordo que Ioko tenha virado a cabeça de Lennon. Acho que eles uniram o amor e o gosto musical.
    Parabéns Luiz! Bela matéria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bete :

      Trata-se de uma terapia radical e certamente traz benefícios, pois intensifica o processo da catarse.

      Deve ser dolorido, não só pelo esforço das cordas vocais, mas por todos os espasmos que deve provocar pelo corpo e também pelo chôro compulsivo, calafrios etc.

      Quanto ao Lennon, é incontestável a falta que a sua inteligência nos faz. Não era um artista pop preocupado em fazer músicas alegrinhas para as pessoas dançarem e rirem, simplesmente, mas sobretudo para pensarem, refletirem e mudarem posturas em relação ao mundo.

      E finalmente sobre a Yoko, creio que já expressei minha opinião na própria matéria e nas respostas aos leitores. Aproveito para acrescentar só mais um argumento em seu favor : os fãs dos Beatles que a odeiam, deveriam levar em conta que Lennon a amava. Se gostassem mesmo do Lennon, no mínimo, deveriam respeitar o sentimento de quem eles dizem amar...

      Obrigado por ler, comentar e elogiar !!

      Excluir
  4. Muito massa o texto, Luiz!

    Fui pesquisar sobre o "Grito Primal" e acabei aqui no "Limonada Hippie".
    Curti demais!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Mas que legal que sua pesquisa te levou ao meu texto no Limonada Hippie. Fico muito contente por saber que apreciou a abordagem.

    Eu é quem devo lhe agradecer pela visita e comentário !

    ResponderExcluir