terça-feira, 1 de janeiro de 2013

"Renegados"


Do que se trata o rock and roll?

Se trata de você estar de saco cheio, não aguentar a mesmice de ser tachado e limitado... Você nasce com a rebeldia do Rock and Roll, você não a compra e nem a conquista. Todos que até hoje em dia fazem desse estilo algo autêntico, tem a rebeldia dentro de si, o censo crítico sobre a sociedade hipócrita que fica querendo te modular do jeito deles, e é contra justamente isso que o rock and roll vai, somos transgressores, bandidos, roqueiros... E isso você não encontra em uma prateleira no supermercado, a coragem que se precisa para se tocar esse estilo, porque viver essa vida é algo muito além do que qualquer um possa entender, por isso, você não se torna um roqueiro, nasce um!. Digo isso inspirado pela história de Buddy Holly, cara autêntico e decidido no que queria, "evolucionou" em sua época, não deixou que limitassem sua maneira de pensar e conseguiu chegar onde chegou, Enfim. Posso citar uma enorme lista de verdadeiros "rockers", mas isso demoraria muito, pois teria o dever, a obrigação de explicar o que cada um acrescentou nesse estilo de vida, e musical. Infelizmente, nem todas as histórias são como as de filmes de Hollywood e não terminam como nós queremos. Sabemos que muitos "rockstars" acabaram de maneira trágica, mas nós não sabemos de nada, alguém acima de nós é quem sabe e nos leva na hora certa. E esses foram, e se foram como os "libertos do Rock and Roll" deixando a terra para entrar para a história. Por isso a minha decepção. Acredito que muitos que admiram, amam e curtem esse estilo chamado Rock and Roll também estão decepcionados com a cena atual. Essa forma de expressão não é brincadeira, uma marca ou um selo, mas é simplesmente você ser aquilo que é, não fazer distinção de quem é quem. Para nós, verdadeiros "rockers", ninguém é mais do que ninguém, somos todos crianças brincando no playground, fazendo aquilo que amamos, simplesmente vivendo o momento sem nenhuma interferência, na mais pura ingenuidade e simplicidade, isso talvez possa explicar porque tantos astros eram tímidos mas no palco mostravam o porque de serem chamados de ASTROS, o palco sempre será o playground daqueles que fazem música com o coração, vontade e humildade... Não se trata de dinheiro, nem de fama, mas sim de levar suas idéias, pensamentos e sentimentos à frente e fazer com que as pessoas se encontrem em suas letras e melodias, isso é música e isso é o Rock and Roll. Como escreveram no final do filme Buddy Holly - "Essa é a verdadeira história e o resto é Rock and Roll".

3 comentários:

  1. Muito bom! Ao ler esse artigo me lembrei do ótimo documentário Global Metal, dirigido pelos canadenses Scot McFadyen e Sam Dunn, que também é antropólogo e tenta dar uma visão antropológica ao tema do documentário. Neste documentário, entre outros temas, eles abordam justamente o que foi dito no artigo acima, que é o lance de que em todas as civilizações, grupos étnicos, tribos, ou seja lá o que for, sempre houve indivíduos que tinham essa coisa de simplesmente sair gritando e ir de contra os costumes e regras de suas sociedades. Isso é basicamente o que na minha humilde opinião, eu chamaria de personalidade rock’n roll e acho que ela faz parte da condição humana. Ótimo artigo! E também vale apena dar uma conferida no também ótimo Global Metal.

    ResponderExcluir
  2. Essa matéria é praticamente um desabafo. Se não existe mais substância no Rock (aliás, faz muito tempo),é por culpa desses malditos e inescrupulosos mafiosos que trataram de torná-lo um enlatado a mais nas gôndolas dos supermercados.

    Viva Buddy Holly !! Viva Jerry Lee Lewis !!

    ResponderExcluir
  3. João - Valeu a recomendação, procurarei saber mais sobre esse doc.

    E Luiz é exatamente isso, um desabafo total! Que vem muito bem à calhar nos dias atuais de mídia podre e pobre de arte e cultura, nós estamos correndo pela beirada, mas ainda assim correndo, qualquer brecha entraremos no núcleo e aterrorizaremos a cena!

    ResponderExcluir