domingo, 23 de dezembro de 2012

Máquina do tempo - Sábado Som

A nossa Máquina do tempo volta hoje a época em que ainda existiam figuras pensantes e revolucionárias na TV brasileira; porque o comandante da nossa nave, Luiz Domingues, vai nos levar ao tempo do programa de TV Sábado Som.

Deixo vocês com uma prévia do texto, uma frase inspiradora e super tropicalista: "Assim éramos nos anos setenta, sem preconceitos, sem tribos fechadas em nichos...tudo era divino e maravilhoso, sem divisões".

Atenção aos detalhes, e boa viagem! ;)

...

Foi num sábado de abril de 1974, que um fenômeno inimaginável ocorreu na TV brasileira, no horário das 16:00h.
 
Mudando a sua programação habitual, a Rede Globo colocou no ar um programa chamado "Sábado Som", produzido e apresentado pelo jornalista Nelson Motta, com o objetivo de exibir o melhor do Rock internacional, daquele momento.


   De queixo caído, Rockers; Freaks e Hippies tupiniquins não acostumados à esse tipo de tratamento cultural inclusivo, comemoraram a oportunidade incrível e improvável até então.

E logo de cara, a estréia foi para lá de especial, com a exibição do documentário, "Live at Pompeii", uma produção de 1971, com o Pink Floyd tocando ao vivo nas ruínas da cidade romana de Pompéia. Um espetacular especial, pleno de clima lúgubre e sob a aura de um Pink Floyd em grande fase da carreira.

                                                          

Era inacreditável estar vendo isso na TV, num sábado à tarde, pois não éramos norte-americanos ou europeus, acostumados a ter esse tipo de suporte nos meios de comunicação.
 
Até então, eram raras as oportunidades para a exibição de material de bandas de Rock internacionais, salvo pequenas intervenções sazonais.


Tomo como exemplo a minha experiência pessoal que deve ter se repetido para muitos aficcionados da minha faixa etária, em termos de reação e repercussão desse programa inicial. Na segunda-feira posterior, às 7:00 h da manhã no portão da escola, o assunto não era outro entre os freaks do colégio.
 
A expressão "você viu"(?), foi repetida muitas vezes nas rodinhas e tornou-se o assunto da semana, sem dúvida alguma, tanto quanto um ano antes, houvera sido com a primeira exibição dos Secos e Molhados, no programa Fantástico, que deixou todo mundo estupefato, também.


E assim sucedeu-se, sábado após sábado, videos inacreditáveis de artistas que eram muito distantes para nós, sendo exibidos.
 
O material que alimentava o programa, era proveniente de boas fontes das TV's americanas e europeias : Don Kirschner's Rock Concert, Midnight Special, In Concert, Old Grey Wistle Test, Top of the Pops, Rockpalast etc.




Sendo assim, por meses a fio, o horário das 16:00 h dos sábados virou sagrado para nós.
 
O mundo podia desabar, mas ninguém tirava-nos da sagrada poltrona da sala de estar...
 
Causou furor a exibição da banda holandesa, Focus e ouso dizer que a enorme popularidade da banda no Brasil, iniciou-se ali no Sábado Som.


Ninguém nunca mais se esqueceu daquela banda espetacular, com um tecladista/vocalista alucinado, que em meio à um hard-Prog-Rock muito bem tocado, fazia malabarismos vocais à la "yodol", um falsete exótico e dificílimo de se cantar, típico do folclore europeu. Dá-lhe, Hocus Pocus !! 

Allman Brothers Band, Alice Cooper, Poco, Chuck Berry, Triunvirat, Greenslade, Uriah Heep, Gentle Giant, Slade, David Bowie, T.Rex, Suzi Quatro, Johnny Winter, Black Oak Arkansas, Average White Band...etc etc
 
Eram artistas americanos e europeus, de várias vertentes do Rock, sendo exibidos para o nosso total deleite.
 
O programa alvoroçou os Rockers de tal foma, que permito-me contar aqui uma experiência pessoal : A minha professora de português, preocupada em fugir do óbvio, gostava de inserir tópicos culturais nas brechas do programa didático tradicional e maçante que era obrigada a ministrar.


Entre um tópico de gramática e outro de ortografia, gostava de estimular discussões no âmbito cultural e claro que isso era legal.
 
Mas, como ninguém é perfeito, segundo seus parâmetros pessoais, o Rock era algo menor, talvez uma subcultura inferior.
 
Motivada pela repercussão do Sábado Som e pela recente visita de Tia Alice, propôs uma redação onde o tema era : "Quem é melhor, Alice Cooper ou Hermeto Paschoal" ?


É claro que a intenção era buscar estrato nas nossas redações infanto-juvenis para corroborar a concepção dela, de que Alice Cooper era obviamente inferior, por ser um enlatado americano de mau gosto blá-blá-blá...
 
Na minha redação, argumentei que não enxergava disparidade entre esses artistas e gostava das particularidades dos dois e indo além, incluí o Allman Brothers, como um exemplo a mais de sonoridade diferente e de extrema excelência artística.


Assim éramos nos anos setenta, sem preconceitos, sem tribos fechadas em nichos...tudo era divino e maravilhoso, sem divisões.
 
No final de 1974, o Sábado Som exibiu um especial condensado do Festival California Jam, ocorrido poucos meses antes.
 
Para os padrões da época, era inacreditável ver artistas ao vivo, com o frescor dessa proximidade temporal.

                   

Grudamos na poltrona vendo Keith Emerson tocando um piano de calda, girando no ar como se fosse um número circense (e era...); Ritchie Blackmore destruindo o palco numa fúria ensandecida em meio às chamas; o Black Sabbath propagando seus temas pesados à luz do dia, num contraste quase ideológico perante sua obra...
 


Mas o sucesso comercial de tal empreitada rocker talvez não fosse proporcional ao nosso entusiasmo setorizado e assim, a Rede Globo tirou o programa do ar, ainda no começo de 1975, substituindo-o por um seriado chamado Star Lost.
 
O Sábado Som marcou época e gerou repercussão diluída em pequenas ações. Conheci lojas de discos e até de artigos sem relação com a música diretamente, que abriram com esse nome.


E também um selo com essa denominação, que chegou a lançar diversos artistas, principalmente bandas do chamado "krautrock", uma vertente do rock alemão muito interessante, formada por artistas com tendência ao Rock progressivo e experimental. Esse selo lançou bandas como Nektar, Embryo, Amon Düll II, Karthago entre outras, no mercado brasileiro.
 
Em meados de 1976, a Globo repaginou o programa e o relançou sob o nome de "Rock Concert", sem a presença de Nelson Motta, mas essa é uma outra estória, como diria o Charles Gavin...
 


11 comentários:

  1. Eu adorava o Sábado Som e por ser na Globo foi um avanço!!!! Enquanto hoje temos que ver o Huck fingir que é um filantropo!!!! Era super fã do Nelson Motta e comprei alguns anos depois o livro dele "Música, Humana, Música". Mas eu lembro que na mesma época ou até um pouco antes existia um programa na TV Bandeirantes chamado BAND 13 que foi transgressor também pra época!!!! Vc lembra dele Luiz???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvana :

      Sem dúvida...quem era rocker nos anos setenta curtiu o Sábado Som, enlouquecidamente.

      Realmente o seu comentário é pertinente e de fato, muita gente tocou nesse aspecto nas redes sociais, ainda refletindo sobre esta matéria do Limonada Hippie, ou seja , é um contraste pensar que em 1974 nós tínhamos uma tecnologia tosca; o país vivia sob ditadura ferrenha; apenas cinco ou seis canais de TV e às 16:00 h dos sábados, tivéssemos o "Sábado Som"...

      Hoje em dia, com a TV a Cabo com quase 300 canais disponíveis, mais Internet e You Tube comendo solto, é lastimável que tenhamos na mesma emissora, o Luciano Huck, ocupando o mesmo horário...

      Sai o Rock e fica o "Filantropo"...

      Lembro-me vagamente do Band 13. Preciso de informações para quem sabe uma futura matéria.

      Obrigado por ler e comentar !!

      Excluir
  2. Muito bom seu texto e que bom você reavivar essas lembranças. Lembro vagamente desse programa. Lembro que me apaixonei por um outro programa (mas de qualidade inferior, tenho certeza0 chamado aleluia! (era na TV Tupi?) comandado por Fábio Jr e Sílvio Brito. Eles levavam gente bem interessante do rock nacional. Mas, desculpe, o especialista no assunto é você. Eu não consigo avaliar (porque era bem criança, tinha 13 anos) se era um programa de qualidade. Esse do Nelson Mota eu me lembro um pouco... Obrigada por esse histórico. É precioso! beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudinha :

      Como fico contente com um elogio vindo de você !

      Agradeço demais e lisonjeia-me saber que pude ativar-lhe memórias da adolescência.

      Lembro sim do "Aleluia". Era uma tentativa da TV Tupi de dialogar com a juventude, mas dentro de seus parâmetros de audiência, a começar pelos apresentadores, artistas populares como Fábio Jr. e Silvio Brito.

      O nível do programa era bem inferior ao de seus concorrentes, como o próprio`"Sábado Som", "Balanço" etc.

      Em 1975, quando ia dar um salto de qualidade, foi vítima de uma fatalidade.

      Explico : A produção quis elevar o nível e produzir um mega festival de Rock, no autódromo de Interlagos, aqui em são Paulo.

      O planejado era contar com as melhores bandas da cena setentista. Chegaram a contratar o Fernando Tibiriçá como consultor, que era um dos maiores produtores de shows de Rock da época e salvo engano, o Mário Buonfiglio, que era empresário dos Mutantes e do Terço, estaria envolvido nessa comissão organizadora.

      Já haviam cartazes nas ruas e a TV Tupi anunciava o festival quando às vésperas, o famigerado Coronel Erasmo Dias, aquele ser truculento e fanático a serviço da ditadura, ameaçou dar uma blitz monstro no autódromo e prender todo mundo. Bem, em 1975, os organizadores preferiram cancelar, mesmo porque a TV Tupi atendeu prontamente o "conselho" das autoridades.

      Sem o Festival, o programa perdeu a oportunidade de dialogar com um público mais antenado e seguiu (por pouco tempo mais), sua carreira mais centrada no pop brega da época.

      Obrigado por ler, comentar e elogiar !!

      Beijos !

      Excluir
  3. Oi Luiz Antonio.ótima matéria! Infelizmente é assim que acontece nas redes de tv. Principalmente na Globo, que tem o maior índice de audiência. Tudo que é bom,tiram do ar, colocando um outro bem inferior. Parece mesmo que querem tirar uma com os telespectadores. E quando isso não acontece, eles colocam em ar após a meia noite. Hora em que a maioria das pessoas estão dormindo. Isso tem que mudar! Também os gostos mudaram muito.(INFELIZMENTE!).As músicas que mais fazem sucesso, são as piores possíveis. Não tem boa letra, melodia, Voz e nenhuma cultura. Vc deve saber de qual tipo de música estou falando. Essas que são tocadas em baladas. Gosto muito de músicas internacionais (boas),músicas popular Brasileira, e música que seja gostosa de se ouvir.
    Vamos lutar para que volte esse tipo de programação. Nossos ouvidos agradecem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bete !

      Que legal ter a sua participação com um comentário tão bom, em clima de desabafo, praticamente.

      Tudo o que você observou, faz muito sentido.

      Eu bato na tecla de que a falta de investimentos em educação, repercute simultaneamente na produção cultural.

      E indo além, há uma perversa estratificação de subcultura sendo difundida de propósito, para aniquilar o nível. Claro, tem gente que lucra e muito com esse emburrecimento do povo.

      De fato, produções bacanas, passam nas TV's abertas, em horários insalubres, onde só aposentados e/ou desocupados, poderiam assistir.

      No horário nobre, fazem questão de difundir o pior do pior, em todos os sentidos.

      Esse clamor seu de exigir mudanças é muito válido e começa com a nossa atitude de boicotar o lixo e difundir coisas boas que estão disponíveis em canais alternativos da TV a Cabo e Internet.

      Fazendo essas coisas virarem "moda", forçamos esses boçais a mudarem seus planos e investirem em coisas mais substanciais.

      Vários programas de Internet conseguiram chamar a atenção, graças ao seu sucesso viral e já atuam na TV paga. Questão de tempo para chegarem à TV aberta.

      Muito grato por ler e comentar !!

      Excluir
  4. Excelente texto mesmo! De fato deve ter sido algo incrivelmente delicioso de se ver, à começar com o "Live at Pompeii" uma das melhores obras do Pink Floyd (na minha opinião) e terminando com o "California Jam" que tambem na minha opinião tem uma das melhores performances do Sabbath! Infelizmente nos dias de hoje, esse tipo de informação voce encontra bem pouco e só estão disponiveis em Tv's à cabo... a Mtv até tenta fazer algumas matérias quando tem datas comemorativas, mas nada com tanto furor quanto antes, lamentável!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Márcio Reis !

      Muito honrado com sua participação e ótimo comentário.

      Olha, o impacto que foi ver o Pink Floyd na TV num sábado a tarde, foi indescritível. Era uma época onde os recursos disponíveis de informação eram escassos e portanto, ter esse material passando na TV, era demais da conta para nós.

      O California Jam passou em novembro de 1974 no "Sábado Som", mas havia acontecido em abril do mesmo ano. Inacreditável esse "delay" de apenas sete meses, numa época onde as coisas demoravam anos para chegar ao Brasil.

      A sensação de ver nossos ídolos com essa proximidade temporal, quase equivaleria a vê-los ao vivo.

      Sem dúvida, material dessa qualidade, só garimpando em TV's a Cabo, mas vou te contar, Márcio, até isso piorou...

      Cerca de 17 anos atrás quando contratei pela primeira vez um serviço de TV a cabo, o Canal Multishow, por exemplo, passava inúmeros documentários e shows de artistas 50/60/70.

      Meu acervo de DVD's caseiros, tem muitas coisas gravadas dessa época.

      Hoje em dia, é raro ver coisas vintage. Até na TV paga, o nível abaixou. A MTV então, abandonou o Rock há pelo menos uns 18 anos, que eu me lembre...

      Adorei sua frase final : "Nada com tanto furor quanto antes"...

      Concordo inteiramente e também lamento !

      Obrigado por ler, elogiar e comentar !!

      Excluir
  5. Oi Luiz você me lembrou que tenho este DVD do Pink Floyd. Vou revê-lo. Em 1974 a Bandeirantes lançou um programa às 18 horas que se chamava "Festa da Juventude". Era bem simples. Um apresentador falava a canção que tocaria e vários casais dançavam. Aprendi alguns passos lá e ouvi o Deep Purple pela primeira vez em seu inesquecível Smoke on the Water. Este programa não durou, pois o apresentador empolgado disse que "era para tirar os coroas da sala" e acabou-se o que era doce... Sua matéria é ótima! Um super beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Lourdes !

      Que legal !! Também tenho esse DVD do Pink Floyd. Trata-se de um ítem importantíssimo na videoteca de quem acompanha o Rock.

      Não me lembro desse programa da TV Bandeirantes que citou. Fiquei interessado em saber mais informações, certamente.

      Agora, que ousadia do sujeito vir com esse discurso de "tirar os corôas da sala"...Esse tipo de mentalidade era bem típica da época, onde as pessoas acreditavam muito no choque de gerações, que assustou a sociedade ocidental desde os anos cinquenta, ganhando contorno de rebelião civil e incontrolável, após a eclosão do Movimento Hippie.

      Muito legal saber que nesse programa do qual não me lembro de ter visto nunca, passassem promos bacanas, como esse que citou do Deep Purple.

      Obrigado por ler, comentar, elogiar e sobretudo trazer adendos ricos à matéria !!

      Excluir