quinta-feira, 13 de setembro de 2012

"Sou a sede de boa palavra, tenho tudo, não tenho nada."




Há poucos dias, descobri um tal de Xangai, músico brasileiro baiano que faz um som "abrasileiradamente" original, coisa da boa, de excelente bom gosto. Pra quem gosta de poesia vinda direto da fonte, (e quando digo fonte, estou dizendo direto do seu estado de origem), com seus dizeres e trejeitos, vai adorar ouvir esse "jeca". Mas em contra ponto, ele é mais um dos bons artistas (e autêntico) brasileiros, do qual pouquissimos conhecem sua arte; então nada mais justo, que, divulgar seu lindo trabalho, feito com vontade e criatividade, coisa tão escassa nos dias de hoje. Se você não conhece o som desse artista, clique no link abaixo e tenha uma suave prévia de seu som. Mas não pare por aí, vasculhe, "basculhe", fuce e ache, só assim conhecerás o desconhecido.

 "Simbôra escuitá um Xangai".


http://www.youtube.com/watch?v=0I4BfNlqh2Q

2 comentários:

  1. Opa, o Xangai é mais um desses artistas da pouco divulgada vertente da Folk music. A mídia brasileira é muito cruel nesse sentido, pois fecha no conceito errado do monopólio cultural.

    Faz alguns anos, li na Folha de S. Paulo uma entrevista do cantor sertanejo Zezé di Camargo, queixando-se que sua dupla não tinha espaço dentro da MTV.

    Era o fim da picada constatar que um artista popularesco como ele, pudesse ter a ousadia de fazer tal reclamação em público, pois denotava uma falta de noção mastodôntica com a realidade.

    Desde o início dos anos noventa, as tais duplas sertanejas dominaram completamente a música mainstream.

    Portanto, era inacreditável que ele se sentisse "injustiçado" por não ter espaço na MTV, pois sua dupla e diversas outras similares, dominavam um pool de mais de 1000 rádios AM, outras tantas da FM, todas as TV's abertas e amplo espaço na imprensa escrita, notadamente revistas populares, lidas com avidez em salões de beleza e consultórios dentários, principalmente...

    Ele reclamava porque não tinha acesso às poucas migalhas que sobravam à artistas de outros segmentos, o que soava surreal.

    Xangai é um desses artistas que nem as míseras migalhas lhe sobram e ao contrário da arte popularesca e enlatada de Zezé e seus correligionários, faz a autêntica música de raiz do Brasil, o nosso "folk".

    ResponderExcluir
  2. Bem colocado, não contente com o leque enorme que a música sertaneja tem na cena brasileira, queriam ainda dominar a "única cena alternativa" que existe na Tevê. As pessoas tem que ser mais controvérsias no sentido cultural e sair por aí explorando a cena, deixa o óbvio de lado ele normalmente vem acompanhado de muita porcaria de baixo teor cultural, claro, isso não é geral, tem suas excessões... Mas acho que um pouco mais ou melhor "um muito mais" de curiosidade, ajudaria e muito nossa nação artisticamente falando.

    ResponderExcluir